quinta-feira, 26 de agosto de 2010

O DESCANSO DO GUERREIRO

Seu Manoel, agora brilhando em outros planos


Nesses últimos meses de 2010, Seu Manoel estava com dificuldade de se comunicar. Atingido por um mal que lhe impossibilitara a fala, tinha que se esforçar bastante pra poder expressar o que queria e o que estava sentindo. Não por acaso, foi a época em o nosso querido português mais ensinou!
Não o conhecia há tanto tempo. Tive os primeiros contatos em 2005, quando sua filha Vera e eu virávamos noites em nossos famosos 'luais" na praia da Jatiúca (sem violão, só comida, amigos e papo - por isso passamos a chamar de "conversais"). Logo cedinho, umas 5:30 da manhã, estava lá, próximo a nós, aquele senhor passeando devagarzinho, entendendo que a caminhada matinal era tão saudável para seu corpo e necessária para sua recuperação. E acenava pra nós, gentil, cordial e afável.
Quem via aquele frágil corpo que estampava um sorriso tão amigo e generoso pela primeira vez, não imaginaria nunca que dentro dali residia um guerreiro bravo e forte, que já tinha vencido um câncer e dava uma baita lição para todos que achavam que tinham "problemas'. Não, não tínhamos problema algum. Calávamos-nos diante de alguém que consegue ser tão poderoso com tanta simplicidade e força de vontade.
Ele, muitas vezes, poderia ter desistido. Quando a doença voltou, muitos abandonariam a batalha só para clamar aos céus o porque de um mal tão injusto ter retornado, mas se manteve firme e dedicado a enfrentar mais essa luta. E esta se fez mais árdua quando perde um de seus filhos, em 2008 e sua esposa, em 2009. Todos, meio que inconscientemente, achava que, na "fila' para brilhar no céu, o seu Manoel iria primeiro. Nunquinha...ele persistiu e nos presenteou com a melhor das lições de vida: a persistência. Enquanto tinha consciência que existia um propósito pra se manter vivo - que teria sentido continuar batalhando pra ficar um cadinho mais nesse universo, ele fez de tudo. Até contrariar vergonhosos funcionários do Hospital Geral do Estado de Alagoas, que, ao vê-lo nas macas esperando atendimento, balançavam a cabeça com sinal negativo: "ih, esse já morreu". Manoel, que adorava ser teimoso e fazer raiva pra irritar quem merecia, ainda fez esse feito. "Esse gostinho eles não vão ter. Não vou me entregar". E assim o fez. Seja por birra ou por qualquer outro motivo, dá gosto perceber que ele nunca se rendeu.
Só o fez quando chegou mesmo a hora. Nosso gentil e desbravado ídolo vinha guerreando faz tempo, e não há soldado que fique tanto tempo de pé por mais forte e resistente que chega. Tem mesmo aquele momento de não poder mais se apoiar no rifle pra ficar de pé. A cortina e os olhos se fecham e ele se encontra, agora, no momento de ir em frente. De partir, de continuar...
Pra onde? Só a fé de cada um poderá explicar. EU prefiro entender que sua missão nesse plano se concluiu, e com todos os méritos possíveis. O nosso guerreiro agora vai "ensinar em silêncio" em outros tantos lugares, mas deixando belos frutos de todo aprendizado que ofereceu, sobretudo a minha já citada amiga, que herdou o espírito de combate do pai e consegue mostrar, a cada atitude, que a lição foi aprendida e que é seu destino continuar distribuindo pros amigos e familiares um pouco desta aura poderosa.
Eu sou um dos contemplados...com certeza!
Por isso, pra sempre, com muito orgulho, agradecerei


MUITO OBRIGADO, SEU MANOEL!


TH

3 comentários:

Serginho Tavares disse...

paz e luz para ele onde estiver!

MCI disse...

=´(
Eu não sei nem o que comentar...
Bons exemplos são ETERNOS!

Anja da Lua disse...

Fiquei sem palavras diante de uma descrição tão linda sobre meu pai, ele mudou os planos de batalha e foi chamado pra o bom combate em outro plano, e cabe a nós entender isso. A saudade e as lembranças sempre serão eternas em nossos corações e uma coisa posso dizer com todas as letras, ele gostava de voce e dos meninos de todo o coração, ele sempre os considerou especiais. Obrigada por tudo meu amor, e mais ainda por essa linda homenagem ao meu grande guerreiro. AMO VOCE!