segunda-feira, 6 de julho de 2009

POLITICAGENS, PICARETAGENS, SACANAGENS E FRALDAS CHEIAS!




Semaninha que promete ser melhor...
Estou estudando novos enfocos pro blog...claro que música nunca deixará de ser o carro-chefe, afinal, está no meu DNA, inegável, mas seria interessante pincelar cotidianamente também sobre outros assuntos. Acordei com esse pensamento de tocar em mais temas aqui no ETHos.
Hoje me deparei com uma célebre frase de Eça de Queiroz: "Políticos e fraldas devem ser trocados constantemente pelas mesmas razões". E quase ao mesmo tempo, vi o absurdo do dinheiro que corre solto e fácil lá no Senado. Copeiros e motoristas que ganham por volta de 10.000 mensais, enquanto professores estaduais e municipais suam pra ganhar misérias por horas-aula. Não desmereço profissão alguma, mas o que seria certo é que ganhássemos de acordo com o nosso suor, sem extras, citras ou ultras.
Eu tenho lá minhas convicções políticas, como todo cidadão deveria obrigatoriamente ter, não sou profundo conhecedor do assunto mas garanto que o mínimo do bom senso eu tenho e até aqui acertado com minha intuição.
A minha maior decepção - e acredito que não haverá outra tão forte, foi com o PT, partido pelo qual era ferrenho seguidor. Até 2002. Depois que Lula foi eleito, eu me vi decepcionadíssimo com os rumos que o partido tomou. Quando está na honestidade, pessoas pecam pelo excesso como fez Heloísa Helena recentemente. O mérito é reconhecido, mas a maneira ortodoxa como ela o defende deixa a desejar. Não é interessante não ter papas na língua - apesar de eu admirá-la e vibrar com seus destemidos argumentos. Chamar Tereza Nelma de "porca trapaceira" certamente era o que todos queriam, mas eticamente nunca é recomendável. Trapaças, Heloísa minha flor, sempre existiram por detrás dos panos. Mas há maneiras mais elegantes de denunciá-las.
Como cidadão e baluarte da esperança no país, eu me recuso a fechar os olhos para os rumos de como a politicagem (que nunca rimou tão bem com picaretagem, com sacanagem) está levando os brasileiros. Meu estado nunca foi bem visto por conta dos acontecimentos políticos. Muita gente associa a gente com Collor (que na verdade, nasceu no Rio de Janeiro), Renan Calheiros, e com o coronelismo velado - a maneira como fazendeiros e usineiros ditam, mandam e desmandam no interior (isso é verdade). É uma pena constatar que dinheiro público é desviado para atender fins lucrativos pessoais, enquanto o centro de Maceió está aquela miséria, as estradas do estado estão lamentáveis e falta investimento na educação e principalmente na cultura daqui. Sendo mais amplo, é por isso também que o Brasil ainda não chegou às maiores potências mundais. Sim, tudo isso por causa da politicagem. Dói ouvir "nossa teu estado gosta de pagar mico", ou então "caramba, teu país é uma vergonha". Sim, verdade dói...
O que é correto e o que não é politicamente falando é um dos dilemas da cidadania. Política, por incrível que pareça, é sim uma ciência linda, didaticamente bem sistematizada, que deveria ser dada nas escolas desde cedo. É uma ciência interessante e empolgante - o que arrasa são as politicagens. E dessa, meu estado, meu país e meu povo já está farto!


TH - Revoltado!

Um comentário:

Paulo Braccini disse...

parabens amigo ... postagem inteligente e contundente ...

bjux

-)